26.6.17

VERTEM-SE BÍBLIAS EM QUIMBUNDO C/ CD CRIME

VERTEM-SE BÍBLIAS EM QUIMBUNDO C/ CD CRIME
Um livro de poemas + um CD de canções.

VERTEM-SE BÍBLIAS EM QUIMBUNDO
- João Paulo Esteves da Silva
capa a partir de fotografias de Joshua Benoliel (manisfestação de guarda-chuvas), grafismo de Pedro Serpa

CRIME - João Paulo Esteves da Silva (piano e voz), Nazaré da Silva (voz), Samuel Dias (bateria e voz)
Música: João Paulo Esteves da Silva
Letras: Augusto dos Anjos, João Paulo Esteves da Silva, Guillaume Apollinaire, Miguel Martins, Mordechai Geldman
capa sobre fotografia de Pedro Serpa / grafismo de Pedro Serpa

Mia Soave#05





VERTEM-SE BÍBLIAS EM QUIMBUNDO/CRIME

Um livro de poemas e um disco de canções.
A relação entre os dois é uma barra inclinada entre quimbundo e crime a dizer que o autor dos poemas é o mesmo que o autor das canções. Mas será? convenhamos que sim, que a mesma pessoa responderá por aqueles actos poéticos e musicais. Quanto ao que venham a ser os dois objectos , preferiria que outros dissessem o que houver a dizer, caso haja.
Direi, ainda assim, que os poemas surgiram da repetição diária de passeios a pé, em Lisboa, quase sempre junto ao rio, mas também em zonas suburbanas; durante o Inverno de 2015/2016. Do caminhar munido de um tablet, de tirar fotografias com este aparelho user friendly e, depois, parar num café e escrever, sempre no tablet, ao ritmo da chegada da cafeína ao cérebro, foram surgindo os 22 poemas de (quase sempre) 22 versos.
Quanto ao disco, é crime em vários sentidos, inclusive este de convocar jovens acólitos para cantar, tocar e adoçar a nossa vida civilizada, tão assente em crimes amargos, antigos e modernos.

João Paulo Esteves da Silva


"À mesa"

Poema: Augusto dos Anjos
Música: João Paulo Esteves da Silva
Vídeo: Ana Deus

https://www.youtube.com/watch?v=NoDlhDzNC1o



Sarah Adamopoulous sobre Vertem-se Bíblias Em Quimbundo + cd Crime | 05.06.2017:
https://patriculaelementar.wordpress.com/2017/06/05/uma-especie-de-jazz/


Hoje Macau| 29.05.2017:
https://hojemacau.com.mo/2017/06/07/sombras-e-vento-frio/



Concerto CRIME: 10 de Maio de 2017 / Reverso | 03 - Encontro de autores, artistas e editores independentes / Cossul, Lisboa



Lançamento em Lisboa: 5 de Maio de 2017 | Teatro Cinearte A Barraca
Lançamento: 24 de Abril de 2017 |Festival Realizar:poesia | Paredes de Coura

7.2.16

Diário do Deserto (Cristina Salvador)/ Paisagens Propícias (João Lucas)- Mia Soave #4







Diário do Deserto (Cristina Salvador)/ Paisagens Propícias (João Lucas)
Mia Soave #04, Dezembro 2015

Uma arquitecta, um músico, o deserto do Namibe e Ruy Duarte de Carvalho – eis as confluências que permitiram chegar à publicação do 4º título da editora Mia Soave (livro + cd). Cristina Salvador  estudou no terreno “o encontro e as trocas entre comerciantes e pastores” e “a troca de pesquisas antropológicas, económicas e espaciais” (Prémio Fernando Távora, 2009) naquele território, que é considerado o deserto mais antigo do mundo. Daí resultou o livro “Diário do Deserto”. Poucos anos depois, a convite da Companhia de Dança Contemporânea de Angola, o músico João Lucas visitou o mesmo deserto com o propósito de conhecer um dos principais objectos de estudo do antropólogo e poeta (ou vice versa) Ruy Duarte de Carvalho: a população Kuvale e a geografia que lhe serve de morada. Daí resultou o cd “Paisagens Propícias” que aqui se junta ao livro. Lendo e ouvindo é como se visitássemos pastores, criando em nós uma empatia com a rudeza das suas condições de vida e a largura dos seus horizontes.



Tu és mortal - Bruta- Ana Deus/ Nicolas Tricot


Imprensa Bruta/ Doutor Tristeza















Bruta /Doutor Tristeza -miasove #3




Ao 3º título a editora Mia Soave apresenta a antologia Doutor Tristeza (organizada e prefaciada por Henrique Manuel Bento Fialho) do decadente poeta brasileiro Augusto dos Anjos (1884 – 1914), primo em doidice dos poetas interpretados por Ana Deus e Nicolas Tricot no projecto Bruta (CD), canções feitas a partir de textos de poetas internados em hospitais psiquiátricos, e outros mais ou menos delirantes,  como Ângelo de Lima, Stela do Patrocínio, António Gancho, Mário de Sá Carneiro, Sylvia Plath, António Joaquim Lança e António Maria Lisboa.
A Mia Soave editou o seu 1º título em 2011, “Reality Show ou a alegoria das cavernas” de Alberto Pimenta com cd “Degrau (cuidado)” onde são recriados poemas mais antigos do autor por um leque de músicos (Ana Deus, Alexandre Soares, Pedro Augusto e João Alves), e o 2º título em 2012, “Prémio Nacional de Poesia” de Nuno Moura com cd “Mau Sangue” de José Ferreira, Beatriz Nunes e do próprio autor.

- A apresentação do livro+cd “Doutor Tristeza / Bruta” será no dia 27 de Novembro, Sexta-feira, às 23h00 no Musicbox: Concerto Bruta 
- Esta apresentação será inserida no programa “Dias do Desassossego” da Casa Fernando Pessoa / Fundação Saramago.


DOUTOR TRISTEZA

A LOUCURA DO INTELECTUAL

   Talvez porque ainda ecoe com demasiada vivacidade o canto do poeta “maior do que os homens”, vai sendo frequente encontrarmos quem atribua ao artista um estatuto que o diferencia da gente comum. De facto, existem diferenças que nos ajudam a distinguir os homens excepcionais dos homens vulgares. Essas diferenças não são exclusivas do artista, podendo ser encontradas nas mais diversificadas áreas da actividade humana. É também uma questão aritmética de fácil compreensão, esta de ser possível encontrar entre homens vulgares um que se distinga por determinada característica excepcional — não sendo tal característica suficiente para que a esse indivíduo se atribua um estatuto semelhante ao que é atribuído ao artista. Só por graça os camaradas dir-lhe-ão: és um artista!
   A questão pára num preconceito que julgávamos suprimido desde que Baudelaire deitou pela lama a auréola do poeta. Na verdade, não foi suprimido. Só isso permite compreender a tendência dos artistas para se fecharem em grupos ditos minoritários (que é o mesmo que dizer elitistas), recusando, ainda que inconscientemente, esbaterem-se entre as massas como gente vulgar que se levanta todos os dias para o trabalho e do trabalho regressa, todos os dias, ao conforto do lar. Excepções sempre houve, é certo. Mas hoje falamos de generalidades.
   É verdade que a inútil tragédia da vida não chega a merecer um poema, mas também o poema não merece o poema. Porque, afinal, ele é parte integrante da inútil tragédia da vida. Nem o poema nem o poeta escapam a esta universal fatalidade. Não admira, porém, a disseminação de tontos que anseiam ser tomados por poetas. Querem ser considerados de excepcionais sem que nada neles exista de verdadeiramente incomum. O que é curioso, e até paradoxal, é a constatação de que as diferenças resultam mais de uma consciência prática das correspondências do que de uma dissimulada reivindicação das diferenças. Tanto pode estar aqui em causa a demanda de um estatuto como a ânsia do prestígio, uma muito humana necessidade de afirmação perante os outros e a mais rasteira necessidade de auto-estima. Nisso, nada há de verdadeiramente elevado. O homem mais alto do que os outros desce à terra e descobre-se minúsculo, tanto como as folhas que tombam no Outono.
   Podia dar-lhes para pior, é certo. Podiam desatar a disparar sobre jovens em retiro. Escrevem poemas, pintam quadros, compõem canções, actividades menos perniciosas, socialmente aceitáveis e igualmente apaziguadoras da consciência interna de uma inútil e trágica existência. Aquela que Augusto dos Anjos, em oito versos arrancados às “cismas do seu destino”, descreveu com louca lucidez intelectual:

“Poeta, feto malsão, criado com os sucos
De um leite mau, carnívoro asqueroso,
Gerado no atavismo monstruoso
Da alma desordenada dos malucos;

Última das criaturas inferiores
Governada por átomos mesquinhos,
Teu pé mata a uberdade dos caminhos
E esteriliza os ventres geradores!”

   Contemporâneo de Pessoa, apesar de ainda distante daquilo a que por cá chamamos de modernismo, antecipou um certo sentido experimental no que conhecemos da poesia brasileira. Isso nota-se numa estonteante riqueza vocabular, julgada de mau gosto por uns e entendida, por outros, como precursora da liberdade de linguagem que caracteriza a modernidade. Só para dar um exemplo, o primeiro poema de “Eu”, livro único originalmente publicado em 1912, é uma orgia de vermes, de larvas, de micróbios, de vírus, que resulta numa autópsia do Ser e da sua indelével corrosibilidade. No entanto, há como que uma estética da dor exposta nessa «elegia panteísta do Universo», uma estética da dor que torna bela a ruína e alegre a decadência.
   Augusto dos Anjos nasceu em Paraíba do Norte a 20 de Abril de1884. Descendente de famílias com propriedades, foi alimentado com leite de escrava e educado pelo pai (homem erudito, leitor de Marx e simpatizante das ideias abolicionistas). Terá sido no pai que Augusto herdou as suas características mais conhecidas: misantropia e hipocondria. Cresceu num ambiente culto, mas em franca decadência. Assistiu à ruína financeira da família e à decadência física do pai, falecido em 1905. Supõe-se que o primeiro poema tenha sido escrito em 1899, um soneto intitulado “Saudade”. Convenhamos que para um jovem de 15 anos não eram estes versos saudável prenúncio.
   Eis o retrato do poeta deixado aos vindouros: feio, ausente de festas e de convívios, isolado, misantropo, neurasténico, desequilibrado, histérico. «Homem de poucos amigos, enrustido, abrindo-se só com os íntimos, e com estes afável e prestativo, sua personalidade, contudo forte, como que se apagava diante de estranhos. Emudecia» (Francisco de Assis Barbosa). Não se lhe conhecem grandes nem pequenas paixões, apenas uma alcunha entre colegas de Faculdade, o Doutor Tristeza, e outra atribuída pelo crítico dos seus primeiros versos publicados, Poeta Raquítico. Terminado o curso de Direito, elegeu a profissão de professor por razões meramente materiais. Já casado, sem conseguir vingar junto da sociedade de Paraíba, decidiu emigrar para o Rio de Janeiro. Chegou em Outubro de 1910. No Rio continuou sempre a "vender aulas", vivendo em condições precárias, perdendo um filho nascido prematuro, escrevendo poemas, ora desprezados, ora ignorados.
   Publicou o seu único livro com a ajuda do irmão. Foi recebido sem entusiasmo, apesar dos esforços elogiosos de alguns amigos. O poeta sentiu-se incompreendido e ao isolamento físico acabou por corresponder um mais profundo isolamento estético. Em 1914 conseguiu um lugar no Grupo Escolar de Leopoldina, em Minas Gerais, para aí se transferindo. Deixou para trás três anos de Rio de Janeiro passados em dez casas de diferentes bairros. Morreu vítima de uma congestão pulmonar, a 12 de Novembro de 1914.
   Longe de consensos, apesar dos elogios de Carlos Drummond de Andrade, entre outras autoridades da literatura brasileira, a poesia de Augusto dos Anjos (1884-1914) foi resistindo ao longo dos tempos como uma das mais lúgubres expressões da natureza humana produzidas em língua portuguesa. O crescimento do poeta coincidiu com o declínio financeiro da família e a experiência da ruína em sentidos diversos. É natural que este ambiente tenha contribuído para a formação de uma personalidade sombria, a qual encontrará nos versos uma expressão autêntica das dores íntimas, do desalento e da desesperança que o perseguiram toda a vida.
   Para a organização desta breve recolha, servimo-nos da 48ª edição de “Eu”, acompanhada por variadíssimos outros poemas (mais de 200 no total), na sua maioria sonetos, fac-símiles dos originais, uma cronologia biográfica, exaustivas notas explicativas, três ensaios de autoria diversa (António Houaiss, Orris Soares, Francisco Assis Barbosa), entre outras curiosidades, tais como o inquérito de 1914 intitulado “A Loucura dos Intelectuais”. A polémica em torno de “Eu” instaurou-se desde a sua publicação. Considerado por uns de aberrante, foi elogiado por outros. Para tal contribuiu o carácter ainda hoje inclassificável desta poesia. Podemos falar de decadentismo sem que Augusto dos Anjos tenha sido um decadente. O sua tema mais recorrente na poética é a “transitoriedade da matéria”, a presença da morte enquanto inescapável destino que tudo subjectiviza, ao mesmo tempo que reclama sentido para uma vida, deste modo, tornada absurda. Podemos evocar o satanismo de Baudelaire ou o onirismo de Edgar Allan Poe (o tema da amada morta aparece amiúde na poesia do poeta brasileiro), mas nenhum destes conceitos classifica com justeza o reflexo omnipresente da morte em cada verso de Augusto dos Anjos.
   Alguns poemas evocam as lições de anatomia de Rembrandt. Noutros são chamados à liça os textos do antigo Egipto, a literatura sagrada hindu, Anaximandro de Mileto, Haeckel e Goethe, para daí se retirar nenhum consolo. O que a consciência procura reside na própria consciência, o Tempo impondo-se como realidade última e a carne como ontologia derradeira. É a morte quem (co)manda a vida. Nada a fazer, portanto, senão vivê-la. Não há como escapar aos apelos desesperados da consciência perante a voracidade do verme. Para dentro do poema o poeta traz um léxico improvável de doenças, de putrefacções e de sombras que não admira ter sido considerado de mau gosto: «Escarrar de um abismo noutro abismo, / Mandando ao Céu o fumo de um cigarro, / Há mais filosofia neste escarro / Do que em toda a moral do Cristianismo!».
   Colocado na posição de ouvinte, imerso entre a realidade e a alucinação (o encontro com Poe é impressionante), o poeta exprime as suas visões; não evita, sem dúvida, filosofar quando nesse filosofar vive adormecida a verdade que o poema acorda. Não é propriamente um visionário, muito menos um místico, é um mártir entre a natureza humana que expõe a dor e desnuda o medo, dando a ver a sua intimidade sem máscaras, mostrando enquanto se mostra, recusando a hipocrisia de uma maquilhagem que pretende disfarçar o que nele, poeta, é verdade e alimento.
   Perdido em cismas filosóficas, dialogando com as fontes, olhando à sua volta e perscrutando na intimidade das coisas, Augusto dos Anjos não procurou negar ou disfarçar nos seus poemas aquilo que sentia. Por vezes deixa-nos curiosos («Não sou capaz de amar mulher alguma / Nem há mulher talvez capaz de amar-me», in “Queixas Noturnas”; «E eu nunca sairei desta Sodoma?!», in “Insónia”; «Mulher nenhuma afagará meu tronco!», in “Minha Árvore”) sobre as autênticas razões da sua poesia, uma necrofilia mística sem par (leia-se o poema “À Mesa”), um «poeta do hediondo» capaz de deixar desconfortáveis as próprias pedras sobre as quais seus poemas venham a ser declamados. Mas mais do que a tristeza e uma certa mistificação da dor, o que nele há de verdadeiramente tocante é a sensação de uma vida perdida sem ter sido possível vivê-la, uma sensação implícita em toda a obra e explícita em poemas que, ficando de fora do livro principal, convém ir mantendo debaixo de olho. Esperemos que esta breve recolha sirva o leitor.




BRUTA

Ana Deus  voz
Nicolas Tricot voz, guitarra, baixo, banjo, flauta e manipulações de objetos


"Já alguém sentiu a loucura
vestir de repente o nosso corpo?
Já.
E tomar a forma dos objectos?
Sim.
E acender relâmpagos no pensamento?
Também.
E às vezes parecer ser o fim?
Exactamente.
Como o cavalo do soneto de Ângelo de Lima?
Tal qual"

Foram estas palavras de Almada Negreiros no seu "Reconhecimento à loucura" que me apresentaram a poesia de Angelo de Lima. Poeta nascido no Porto e que acabou a vida internado num manicómio com o diagnóstico de esquizofrenia.
A sua poesia e o reconhecimento da loucura na criatividade levou-me a procurar possíveis artistas "brutos" da escrita.
O que não foi fácil, nem de encontrar nem de rotular. A escrita é à partida um caminho com regras que afastam muitos daqueles que no desenho ou noutra manifestação plástica encontram o seu caminho de expressão.
Stela do Patrocínio foi um desses encontros. Ao contrário da maioria dos internos da Colónia Juliano Moreira, hospital psiquiátrico do Rio de Janeiro, ela preferia a palavra ao desenho ou à pintura. Alguns dos seus "falatórios" foram registados por voluntários que começaram a dinamizar oficinas artísticas com os internos. O resultado dessas transcrições foi editado num livro intitulado "Reino dos bichos e dos animais é o meu nome". Dela escolhemos dois pequenos textos.
António Gancho, foi outro dos poetas naturalmente escolhido. Internado desde novo em vários hospitais psiquiátricos.
De poeta em poeta fomos andando  e a escolha terá começado a seguir outros caminhos menos "brutos".
Teses sobre a loucura e a poesia ou sobre o suicídio dos escritores há muitas, e são discutíveis mas levaram-nos ao encontro de alguns suicidados muito longe da escrita "bruta".  De Mario de Sá Carneiro e Sylvia Plath escolhemos dois poemas que nos pareceram pela sua estrutura mais possíveis de serem cantados. É claro que a forma é tão importante como o assunto para quem tenta fazer canções.
Ainda mais afastado dos princípios da nossa pesquisa António Maria Lisboa apareceu-nos no caminho apenas pela beleza da sua escrita livre. "A recusa" será o remate do disco, como uma Errata* que não rectifica o que está para trás mas que abre a porta à possibilidade de se ser aquilo que se quiser e da importância do amor.
A morte está presente em alguns dos poemas escolhidos. Também por essa razão incluímos como contraponto "A morte nunca existiu" do pastor poeta Antonio Lança, que tem sobre a vida e a morte uma visão menos romântica

O caminho foi este mas a escolha foi  gostar e experimentar.

Canções a partir dos poemas

De Angelo de Lima
- Mia Soave
- Soneto
- Tapada

De Stela do Patrocínio
- Gaz puro
- Falatório

De António Gancho
- Mortal
- Embriagado

De Mário de Sá Carneiro
- Serradura

Sylvia Plath
- A canção da rapariga louca
(Tradução de Regina Guimarães)

António Joaquim Lança
- A morte nunca existiu

António Maria Lisboa
- Errata


Nicolas Tricot é um músico francês, multi-instrumentista, que vive no Porto há mais de 10 anos.
É membro da banda "Estação de serviço" que tem acompanhado o Manel Cruz durante este ano. Compôs, tocou e produziu discos com o Nuno Prata.

Ana Deus, cantora, tem desenvolvido o seu trabalho nos últimos anos trabalhando textos e poemas de  
Alberto Pimenta, Álvaro Lapa, Almada Negreiros, Gabriela Llansol,
Ernesto Melo e Castro, Mario de Cesariny e Regina Guimarães